Tarrafal, 16 Fev (Inforpress) - 18 carneiros foram mortos durante a madrugada de hoje por cães vadios no Colonato de Chão Bom, no concelho do Tarrafal (ilha de Santiago), causando um prejuízo de mais de 300 contos aos criadores de gado.

Moradores Locais e donos dos animais mortos disseram à Inforpress que nos últimos dias os criadores de gado do Colonato têm se deparado com situações de perdas dos seus animais, devido a constantes ataque de cães vadios, e que 22 carneiros foram atacados, tendo morrido 18 deles.

Conforme relata Cristina Gomes, foram despertados por volta das 07 horas e de seguida depararam que todo o seu rebanho tinha sido morto por cães vadios, pondo assim fim a único meio de subsistência da família.

"O meu filho comprou cada cabeça de carneiro por 15 mil escudos para criar e sobreviver, mas tudo acabou. Solução agora é acabar com os cães, porque senão esses cães podem até comer pessoas. Agora não sei o que fazer, e quem é que vai me ajudar a recuperar esses animais", disse aflita, Cristina Gomes.

Gilson Barbosa, o jovem que cuidava do rebanho todos os dias, disse que o prejuízo é enorme, pois desses 18 animais mortos, 10 eram fêmeas que já tinham dado à luz e três estavam prestes a parir.

O jovem espera que as autoridades os ajudem a recuperar os outros animais que apenas ficaram feridos.

Diante da situação desta família, o vereador de Ambiente e Saneamento, Inácio Barbosa disse que a Câmara Municipal do Tarrafal vai apoia-lhos para que voltem a ter meios de subsistência.

Para resolver a situação dos cães vadios, o vereador disse que vão criar uma comissão municipal, que integra a câmara municipal, a delegacia de saúde, a delegação do Ministério do Ambiente e Agricultura e a Polícia Nacional, para que juntos possam definir estratégias de combate à proliferação desses cães.

"É um problema que vem arrastando há muito tempo, porque anteriormente usava-se a estricnina para fazer abate de cães vadios, mas foi proibido o uso deste medicamento, de modo que tem dificultado o nosso trabalho e os cães têm vindo a aumentar, por isso temos de urgentemente tomar uma medida", disse.

Fez saber que a autarquia tem estado a fazer castração de amimais e vão continuar com esta medida, entretanto reconhece que só a castração não é suficiente, por isso em alguns casos é necessário fazer o abate daqueles que constituem perigo à saúde pública.

Inácio Barbosa é da opinião que o Ministério da Saúde deve liberar o uso de estricnina, mas com um controlo mais rigoroso.

AM/FP

Inforpress/Fim

Assinaturas Inforpress

paywall4

01Notícias Relevantes Fique sempre informado sobre os principais acontecimentos de Cabo Verde e do Mundo.

02Informação de Qualidade Produzimos informação com independência, rigor e qualidade.

03Diversidade de Cobertura Pomos à disposição do público informação actualizada sobre os mais variados aspectos.